top of page
  • Foto do escritorTânia d'Arc

Jaqueline Balthazar



Jaqueline Balthazar Silva é curitibana, servidora pública, teóloga, escritora, licenciada em Letras - Português e Inglês (UTP) e bacharel em Teologia (PUCPR).


É autora de livros e capítulos de livros acadêmicos e de prosa e poesia. Escreveu Sobre sonhos, encontros e desencontros e Participação social e equidade em saúde na perspectiva da bioética e participou da Antologia Marianas.


Integra o Coletivo Marianas e trabalha com educação à distância, como professora conteudista, nas áreas de ciências da religião, língua portuguesa e linguística. É mãe de três gatos e de uma humana.


 

Alguns poemas da autora



Entrelinhas

 

Por um bom tempo me permiti viver nas entrelinhas.

Lá a vida parecia ser mais agradável, mais leve.

Dava uma sensação de prazer poder acreditar nas entrelinhas.

Elas não diziam nada e, por isso mesmo, também diziam muito.

Diziam muito mais do que a dura realidade.

Lá eu me permiti sonhar um sonho bom.

Vivi um mundo paralelo em que tudo parecia ser infinitamente bom!

Nas entrelinhas eu escolhia o que queria "ouvir" e deletava o que não queria.

Sair das entrelinhas dói.

É sair da Matrix. Como um parto.

Apesar de dolorido, é de verdade.

Incomoda muito, mas nos dá perspectiva.

Sair das entrelinhas a tempo de resgatar o que me sobrou de dignidade foi um ato de extrema coragem.

Olhar para a realidade e cair no mundo real pode parecer feio e angustiante.

Mas ainda é a melhor escolha pra quem quer sobreviver.

Doeu, vai continuar doendo por um bom tempo.

Mas as feridas são curadas com o tempo.

As linhas ocultas foram excluídas com sucesso.

Só nos resta ficar atentos para as linhas já postas e acreditar que poderemos criar linhas novas.

Novos passos, novos caminhos.

Novas oportunidades.





Se joga

 

Um dia alguém te diz que ninguém vai lembrar de você depois que você morrer.

Daí completa com: Por isso não deixe de fazer aquilo que tem vontade de fazer!

E ai você se pergunta: Será?

Sera que essa pessoa sabe quanta coisa uma pessoa pode querer fazer?

Quantas de fato ela deve mesmo fazer?

Há tanto desejo represado que causaria um verdadeiro estrago.

Agir assim, sem pensar seria uma grande loucura.

Nao que tivesse medo da loucura. O problema são os outros.

Nunca mais poderia morar no mesmo lugar, trabalhar no mesmo lugar a depender das coisas que tivesse vontade de fazer.

No mundo real somos julgados, condenados, crucificados por coisas tão banais.

Não arriscaria o meu pescoço fazendo qualquer bobagem.

Mesmo sabendo que algumas valeriam a pena.

Viver já é um risco. Mas ser mulher pressupõe muitas barreiras a serem superadas.

Nem sempre o risco vale o vexame.

Se joga quem não tiver medo do julgamento.



Publicados no site pessoal da autora.

 

 

Livros

Sobre sonhos, encontros e desencontros (Marianas Edições, 2017)

Participação social e equidade em saúde na perspectiva da bioética

(Diálogo Freiriano, 2019)

 

Coautoria

Caminhos do diálogo: proporcionando a vivência da bioética no Ensino Fundamental (CRM, 2017)

Antologia Marianas (Anadara Brasiliana, 2019)

 

Saiba mais sobre Jaqueline Balthazar

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ciça

Comments


bottom of page